Google
Memórias do Front: João Avelino Santos: Um soldado na FEB.

O objetivo deste blog é resgatar, através de artigos, histórias de pessoas que se envolveram no maior conflito da História - A Segunda Guerra Mundial - e que permaneceram anônimas ao longo destes 63 anos. O passo inicial de todo artigo publicado é um item de minha coleção, sobretudo do acervo iconográfico, a qual mantenho em pesquisa e atualização. Os textos originados são inéditos bem como a pesquisa que empreendo sobre cada imagem para elucidar a participação destes indivíduos na Guerra.

quarta-feira, 12 de março de 2008

João Avelino Santos: Um soldado na FEB.

Em 22 de setembro de 1944 o soldado João Avelino dos Santos embarca no porto do Rio de Janeiro no navio transporte General Mann em direção à Itália. João, como outros 25 mil brasileiros, era integrante do 1º Regimento de Infantaria – Regimento Sampaio - da Força Expedicionária Brasileira , formada por três regimentos de infantaria e tropas de apoio, que assim partia para lutar a II Guerra Mundial nos campos da Europa.

Antes de João, um grupo de 5 mil homens já havia partido em julho de 44. Estes já haviam participado de seu batismo de fogo quando João deixou a baía de Guanabara: comandado pelo Gen. Zenóbio da Costa em 16 de setembro tropas brasileiras tomam as localidades de Massarosa, Borrano e Quieza, que se achavam em poder dos alemães.

Mas o engajamento de João começou muito antes, provavelmente pouco depois do final de agosto de 1942 quando o Brasil declara guerra ao Eixo – Itália, Japão e Alemanha – por ordem do presidente Getúlio Vargas. A decisão foi conseqüência de uma série de atentados a embarcações de bandeira brasileira tanto na costa de nosso país como no Atlântico, perpetrados pela Kriegsmarine – a marinha de guerra alemã – através de submarinos. Estes atentados se iniciam em fevereiro de 1942, poucos dias após o Brasil declarar o corte de relações diplomáticas com os países do Eixo.

Este episódio tem uma ligação muito estreita com outro, que ocorre em dezembro de 1941: o ataque japonês a Pearl Harbor e a declaração de guerra dos EUA ao Japão e por conseqüência à Alemanha. Os EUA desde o início da guerra tinham a consciência da necessidade de se assegurar a segurança das Américas a fim de se garantir a segurança de seu próprio território. O pensamento estratégico era muito simples: as Américas eram consideradas áreas de influencia cultural e comercial estadunidense, além de oferecerem pontos estratégicos de defesa ao hemisfério norte, como foi o caso do Nordeste brasileiro.

Assim, após conferência entre os líderes dos países americanos realizada no Rio de Janeiro, decide-se pelo corte de relações com o Eixo. E é assim que a guerra chega ao quintal do Brasil: iniciando-se em fevereiro e sem previsão de término, os submarinos alemães, estacionados na costa da França, afundam navios mercantes brasileiros. A gota d’água se dá em agosto de 42, quando navios com passageiros civis são afundados, causando grande revolta na população brasileira.

João Avelino dos Santos, jovem brasileiro, assiste a tudo através dos rádios e jornais. E sem imaginar que pudesse pisar o solo italiano ao brado dos gritos corajosos de seu sargento sob fogo da poderosa Lurdinha, é chamado a servir ao seu país.

E a guerra ardia em ambos os teatros de operações. Em setembro de 1944 os aliados já haviam libertado Paris e logo o Terceiro Exército Americano de Patton deteria seu avanço devido a falta de suprimentos. No dia em que o soldado João deixa o porto do Rio de Janeiro em direção à Nápoles, as forças aliadas estão tentando desesperadamente salvar do fracasso o plano de invasão aerotransportada da Holanda. Os alemães emitiam um aviso: não está derrotado quem ainda guerreia.

Na Itália, a situação era similar: entrincheirados nos vales do montanhoso território da península, os alemães infringiam pesadas baixas ao Exército Americano. Ao tardar da guerra, as baixas em solo italiano eram proporcionalmente maiores do que no território francês. A pressão imposta pela Wehrmacht foi tanta, que o Exército Americano tratou de montar e treinar uma divisão especializada em combate de montanha para enfrentar o desafio de furar o bloqueio alemão.

João e seus companheiros desembarcaram dia 6 de outubro no porto de Nápoles. Da primeira impressão provavelmente nunca se esqueceram. A ela, adicionariam tantas outras pavorosas e alegres, imagens que a guerra traz e que ninguém nunca viu a não ser na própria guerra. Nápoles não era mais uma frondosa e bela cidade italiana. O porto estava abarrotado, quase que entupido de tantos destroços de navios e aviões de guerra. Toneladas de aço retorcido se encontravam sob e sobre a superfície da água, tornando tortuosa a delicada operação de se atracar um grande navio.

A cidade era só escombros que foram cuidadosamente criados por meses de intensos bombardeios, ataques aéreos e invasões de tropas estrangeiras; ora inimigos, ora aliados. A sensação não podia ser mais desoladora: centenas de pessoas cruzavam as ruas, roupas em farrapos, a procura de comida ou qualquer item que lhes ajudasse a sobreviver em um território dominado pelo Deus da guerra. A pobreza foi algo que chocou até os mais pobres soldados brasileiros.[1]

Dali, o grupo é levado a campos de reunião e treinamento. E lá ficarão por quase dois meses a espera de treinamento e material. A situação da FEB era de alguma forma delicada: sem material americano disponível no Brasil, todos os três regimentos tiveram que se adaptar ao chegarem na Itália, passando por cursos e instrução antes de entrar, definitivamente, em ação. A situação do 2º e 3º escalões, que chegaram à Itália em 6 de outubro, foi bastante delicada. Parte do grupo só entrou em ação em 21 de novembro, ao substituir um batalhão do 6º RI nas proximidades de Monte Castelo. Poucos dias depois, seriam atacados pelos alemães e estes brasileiros experimentariam, pela primeira vez, o gosto de sangue e pólvora.

Dali em diante, João guardaria na memória não só as cenas de combate, mas as terríveis sensações do inverno europeu. Aquele inverno, que foi um dos mais frios, como se o Deus da guerra interferisse no tempo e castigasse os infantes das nações em guerra. No sopé de Monte Castelo, os batalhões do 1º RI passariam o inverno cuidando e monitorando as ações alemãs, esperando para dar início ao ataque final, aquele que varreria a alma do Sampaio, já castigado por tantas investidas e baixas infrutíferas.


Medalha Sangue do Brasil - FEB

E depois de passar muitas noites sob o frio intenso e muitos dias sob o desolador céu de inverno e sob o calor da artilharia do tedesco, o grande ataque a cota 977 é marcado.

Em 8 de fevereiro o Gen. Crittenberger convocou todos os comandantes de divisões para uma reunião urgente. Foi anunciado que na segunda quinzena de fevereiro seria realizado pelo IV Corpo uma ofensiva local, que seria executada pela 10º divisão americana de montanha e pelo 1º DIE, com apoio aéreo e artilharia. A operação recebeu o nome de “Plano Encore” com o objetivo de rechaçar o inimigo instalado entre os vales do Panaro e Reno, que daria ao comando aliado a posse de observatórios e pontos vitais para a ofensiva contra a Bolonha. Em 16 de fevereiro os objetivos estavam claros e assim apresentados: a 10º divisão de montanha conquistaria Monte Belvedere e Gorgolesco, progredindo segundo o divisor até linha Capella di Ronchidos – Mazzancana; a partir deste momento a divisão brasileira atacaria Monte Castello, em concordância com a ação da 10º divisão sobre Monte della Toraccia.

E João provavelmente participa deste combate, que entrará para os anais da história da campanha da FEB na Itália. Mas ele não parou por ai: o regimento Sampaio consolida sua presença nos Apeninos após a conquista de La Serra.

Em março de 45 João tira esta foto em alguma cidadezinha italiana no vale do rio Pó e a dedica a sua irmã Fontenelle. Seu semblante parece transmitir as agruras da guerra ao qual foi submetido. A pesada roupa nos faz pensar que, mesmo no inicio da primavera, o frio ainda assolava os brasileiros.[2]

O 1º Regimento ao qual o soldado João estava ligado ainda participa ativamente da campanha em março e abril, inclusive o ataque a cidade de Montese. A guerra começava a anunciar o seu final: o avanço começou a se fazer rápido por vilarejos e cidadezinhas já abandonadas pelos alemães. A libertação de Bolonha pelos americanos deu o tom de vitória aos brasileiros. Os alemães passaram a ser perseguidos e os campos de prisioneiros aumentavam dia-a-dia.

Mas a estada na Itália se prolongaria até agosto de 1945, quando o Sampaio embarca de volta para o Brasil. João desembarca em 22 de agosto no Rio de Janeiro, desfilando majestosamente pelas ruas da cidade e sendo recebido, quem sabe, por seus entes queridos.


[1] Depoimentos sobre Nápoles podem ser encontrados em diversos relatos de febianos. Entre eles, PISKE, Ferdinando. Anotações do Front Italiano e SOARES, Leonércio. Verdades e Vergonhas da Força Expedicionária Brasileira
[2] Foto do arquivo pessoal de Fernanda Nascimento. Imagem Inédita.

12 comentários:

Prof. Wilson disse...

Prezada Fernanda.

Meus parabéns não apenas pelo artigo, como também pelo blog. Gostei muito do que li, principalmente pela elegante articulação entre a trajetória pessoal de João com o contexto histórico que ele vivenciou. Espero novidades. Saudações, Wilson de Oliveira Neto.

Galdino Neto disse...

Muito bom esse texto, Nanda.
Na minha opinião o melhor até agora.
Você chegou a encontrar o Soldado ou sua família?
É engraçado, mas, uma pessoa que não conhecia aquele combatente da FEB está preservando mais a memória dele do que a própria família!
Parabéns.

Anton Roos disse...

Fantástico. A Fernanda se tornou uma fonte inesgotável de conhecimento sobre o assunto. Uma vez mais o material ficou brilhante, parabéns guria.

Julio disse...

Excelente Nanda. Contextualização de um simples rosto na multidão em uma situação que todos nós conhecemos. Parabéns pelo texto e pelo material exposto.

Fernanda de S. Nascimento disse...

Colegas, muito obrigada pelas palavras. É uma satisfação muito grande pesquisar e produzir este material. Maior ainda, é a satisfação de saber como os texos são aceitos. Um forte abraço a todos.

Paula disse...

Olá Fernanda! Adorei seu blog, parabéns! Também sou historiadora pela usp aqui de sp, tb sou apaixonada pela guerra e pela FEB. Embora minha pesquisa seja pessoal e restrita, como vc poderá ver visitando o meu blog, (quintaldapaula.blogspot.com), gostaria da sua permissão para reproduzir material seu que eu julgar legal, com a citação da fonte, claro! Espeo que vc divulgue MUITO, publique MUITO, porque a história do Brasil precisa ser recontada MESMO! Espero tb que possamos nos tornar amigas.
Beijokas e saudações febianas!
Paula Mello

Anônimo disse...

Oi, Fernanda!

Muito bom o resgate histórico deste Herói da FEB.
Por quê você não disponibiliza a matéria no site da ANVFEB - http://www.anvfeb.com.br/ ????
Um grande abraço.
Gustavo Lima

Rodrigo Oficiati disse...

òtimos textos, como sempre...realmente o mínimo que o brasileiro podería ler e ver em relação ao passado bélico de nossa pátria é o seu Blog e o documentário Senta a Pua! Parabéns!

aluizio disse...

Gostei muito da sua iniciativa pois muitos jovens de hoje não tem conhecimento do quanto fomos decisivos para o fim da 2º Guerra Mundial, sou filho de Heroi de Guerra, 2º Ten Artl Franco, que muito contribuiu para nossa vitoria final, também sou da reserva do EB com muito orgulho.

Anônimo disse...

Ótimo artigo, pena que não há mais relatos semelhantes.

carlos fonttes disse...

CARÍSSIMA PROFª FERNANDA - MEUS CUMPRIMENTOS PELO SEU TRABALHO NESTE BLOG - ESTOU PESQUISANDO OS FEBIANOS/2ª GM - ENTRE EM CONTATO COMIGO URGENTE - TENHO MATERIAL DA MINHA CIDADE (URUGUAIANA) E LIVRO SOBRE A REVOLUÇÃO DE 30 - VISITA MEU SITE www.artmajeur.com/carlosfonttes - SOU DELEGADO DA ACADEMIA DE HISTÓRIA MILITAR TERRESTRE DO BRASIL

carlos fonttes disse...

FERNANDA: SOU DE URUGUAIANA-RS E ESTOU PESQUISANDO SOBRE OS FEBIANOS DA MINHA CIDADE (QUE NASCERAM OU SAIRAM PELO 8º RCI)- PRECISO TER CONTATO COM OS FAMILIARES PARA COMPLEMENTAR UM LIVRO SOBRE ESSES HERÓIS DE GUERRA - POR GENTILEZA E DESCULPA, ESTOU APROVEITANDO TEU BLOG - MAS TENHO MUITO MATERIAL - GRACIAS